domingo, 19 de novembro de 2017

João Ramos, um vencedor discreto!

 Hoje Esposende, e em particular a ADE, ganhou mais um campeão,ou vencedor,ou o que lhe quiserem chamar: João Ramos!

 João Ramos tornou-se hoje o novo vencedor do Campeonato Nacional de Ultras-Trail organizado pela ATRP  na categoria de Sub-23, tornando esta época de estreia da ADE Trail Running Team uma época muito especial e que coloca as expectativas para a próxima época a um nível elevado.

 Mais do que uma vitória, é um sinal forte de que a política do ecletismo na ADE está a dar o seus frutos e que depois do Basquetebol e do Voleibol, o Atletismo é também uma realidade nesta coletividade e que é na disseminação da prática desportiva espalhada nos mais vários desportos que iremos buscar frutos para uma sociedade mais ligada às suas instituições.

 Além de uma vitória saborosa, é uma vitória que nos faz ter de olhar para o atletismo no concelho de Esposende de uma forma mais séria, mais cuidada e concreta.

  A vitória de João Ramos é fruto de uma grande vontade e sacrifício pessoal e também fruto da cooperação com outros grupos de corredores amadores que vão proliferando nos últimos tempos com a aumento da popularidade deste desporto, mas o tempo do puro amadorismo têm um prazo de validade que está prestes a caducar e será necessário ter maior apoio logístico às equipas que entram nas competições, será também necessário proporcionar apoios que permitam melhorar e suportar a condição física dos atletas durante todo o campeonato e acima de tudo locais para treino.

E quando falo de local de treino tenho de realçar a inexistência de uma pista de atletismo neste concelho para podermos ter um quadro competitivo no atletismo que vá para além das corridas de estrada e termos competição na velocidade pura.

Por muito que goste dessas organizações, atletismo em Esposende não se pode apenas a organizar corridas na Marginal ou na areia para que mais Joões Ramos apareçam! 

Parabéns João e grande orgulho em também pertencer a esta equipa!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

PCP Esposende e a Revolução de Outubro

Foto retirada de Esposende Serviços.

O PCP de Esposende assinalou, no fim de semana que passou, o centenário da Revolução de Outubro. 
Entre outras acções comemorativas, destaca-se uma exposição em plena sala de visitas da cidade de Esposende, o largo Rodrigues Sampaio (conforme ilustra a imagem aqui trazida).
Não deixa de ser antagónico (e irónico) que as comemorações da Revolução de Outubro tenham ocorrido sob o signo da liberdade, um direito que, infelizmente, foi negado pelos pais e filhos da Revolução (URSS, Coreia do Norte, China, Venezuela), e cujo exercício foi brutalmente reprimido (Estaline, China).
Por essa razão, e considerando o local escolhido para a exposição, a paredes meias com a Igreja Matriz, só ficou mesmo a faltar, no programa de celebrações delineado pelo PCP de Esposende, incluir uma missa em memória de todos quantos morreram nas ditaduras comunistas (inspiradas pela Revolução de Outubro). Quem sabe se nas comemorações dos 125 anos os comunistas esposendenses não encomendam uma missinha...

domingo, 12 de novembro de 2017

E uns ciclos de cinema?

Sejamos sinceros, o cinema e a forma como o vamos ver mudou.

Se o cinema dito comercial, ou de grande divulgação, hoje está remetido para as salas múltiplas dos grandes centro-comerciais, as salas de cinema mais pequenas refugiam-se nos ciclos especializados de cinema para conseguirem encher as suas salas.

Esposende está deficitário de um cinema e de sessões de cinema e todas as soluções são boas para trazer novamente esta forma de arte a este concelho.

As notícias da morte dos espectadores nas salas de cinema foram francamente exageradas e, hoje em dia, o público volta às salas porque a qualidade da experiência de cinema numa sala de cinema é sempre diferente da experiência à frente do portátil ou da sala de casa e isso deve ser aproveitado.

Cada vez mais são as entidades que procuram não só exibir filmes de menor divulgação, como a mescla entre cinema e música com atuações ao vivo de conjunto musical enquanto se assiste ao cinema e isso pode ser aproveitado por nós.

Houve uma altura neste concelho em que havia pessoas que iam a uma sessão de cinema numa segunda-feira laboral em Esposende para ver um filme que já tinha estreado há 2 meses atrás e isto dito hoje parece que estamos a falar de uma realidade alienígena ou de um mundo paralelo, mas isso pode ser novamente uma realidade dos nossos dias.

Ciclos dedicados a uma temática, ator, atriz, cidade, época ou país pode ser um bom motivo para que haja novamente cinema em Esposende.

Fica a sugestão. 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Séniores de Esposende, 20 anos depois.

20 anos depois, a cidade de Esposende têm novamente uma equipa desportiva sénior em competição.

Falo da equipa sénior de voleibol da Associação Desportiva de Esposende (ADE).

Existem factos, acontecimentos ou actividades que apesar de parecerem banais à primeira vista são reveladoras do que foi o passado, do que é o presente e do que será o futuro e este é um deles. É um daqueles factos, acontecimentos ou actividades que têm um leitura muito mais profunda e ampla do que o âmbito desportivo e de onde poderemos tirar conclusões tácitas sobre a nossa sociedade, as suas dinâmicas e  o seu estado de evolução material e cultural.

O desporto feminino, e o sucesso nele,tornou-se nos tempos modernos uma das mais irrefutáveis provas da vitalidade de um sociedade, da igualdade de oportunidades entre géneros e da facilidade de acesso da população infraestruturas e actividades que não tenham directamente a haver com a sua evolução no mercado de trabalho. 

Olhando para a tabela de medalhas conquistadas a partir de 1996 nos Jogos Olímpicos é fácil verificar que são os países com melhores índices de qualidade de vida e de literacia que ocupam os lugares cimeiros do rácio medalhas/população feminina. Falamos dos casos de Noruega, Holanda, Nova Zelândia,Austrália, Suécia ou Suíça e acho que por aqui já fica claro o que quero dizer.

Em termos portugueses,a Quinta dos Lombos paulatinamente se têm tornado uma referência no desporto feminino ano após ano e não será de espantar que este clube esteja sediado em Oeiras, um dos concelhos de Portugal com melhor qualidade de vida.

E isso leva-me a pensar o que se passou na cidade de Esposende nos últimos 20 anos para não termos tido desporto feminino a este nível.Alguns estarão a pensar que este período está deturpado já que houve competição ao nível sénior em São Bartolomeu do Mar e Fão no andebol, houve competição sénior em Palmeira de Faro e Apúlia no futebol mas gostava de me focar no facto de nada disto ter ocorrido na cidade sede do concelho.

Tenho a percepção que tivemos um conjunto de factores que levou a esse facto e que esses factores são eles sinais do tempo e dos tempos que passaram.Não tínhamos pessoas suficientes? Não tínhamos pessoas capazes de organizar estas equipas? Faltavam ideias sobre que desportos praticar? Não existia a cultura do desporto feminino no concelho? Faltava a incitação do desporto escolar para novos valores despontarem? Penso que não. 

Na minha verdade, a resposta certa é a falta de um verdadeiro projecto e do empenho das forças vivas para que esta equipa fosse um realidade à muito tempo e que levou a que estivéssemos quase 2 décadas sem algo semelhante. 

Serei sincero e até assustador: Um falhanço na sobrevivência desta equipa por falta de apoios externos da sociedade e das suas forças vivas é um falhanço de todos os esposendenses e não apenas da ADE!

As Lobas do Mar não são apenas uma equipa de voleibol num qualquer campeonato nacional , é um cartão de visita desta cidade, é uma montra do que a cidade de Esposende é como sociedade e é um teste à cidade de Esposende na sua capacidade de organização e na sua capacidade de apoio e incentivo a um novo projecto.Estas mulheres não carregam apenas o emblema da ADE, carregam toda a imagem de um cidade que se quer mostrar na região e no país como uma cidade moderna e arejada.  

As Lobas do Mar são um dos mais importantes projectos que esta cidade viu nos últimos tempos e quem achar o contrário não percebe os tempos em que vive.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Quem faz o quê!

Depois de um singular processo autárquico e porque este é o primeiro post que faço desde há largas semanas, duas notas:

- a primeira: Parabéns à JSD Esposende. Assumiram o lugar que muitos não aceitariam. Bateram-se pela causa e colheram o fruto. Em circunstâncias excepcionais, é certo, mas fizeram por isso. Não terão "pasta" no executivo, mas isso já pesará nas opções - ou falta delas - de outros e não da JSD.

- a segunda: alguém viu por aí aquele partido que começou com o "Je suis Esposende"... e acabou em "Je suis Barcelona" (tal foi o camião que lhes passou por cima?)!

Isto posto.
Partilho aqui uma pequena tabela, ao jeito de "quem é quem" ou "quem faz o quê", agora que estão distribuídas as pastas do executivo.

Constata-se que a gestão se mantém centrada nas figuras do Presidente e da vice-Presidente, à semelhança do passado, ficando os restantes (com excepção da educação e cultura) ligeiramente mais aliviados em relação aos antecessores.

Assim, de forma colorida, podemos ver de onde transitaram as pastas em relação à reformulação de 2016.

A ver vamos o que o futuro nos reserva, desde logo com a segunda vaga de distribuição de pastas - aquelas "prometidas" aos que não vão a votos!






segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Visit Esposende - o que ainda não foi feito

O renovado site do Município dispõe da opção de leitura em diversas línguas, que não apenas o português. Para além dos óbvios inglês, francês e espanhol, também os internautas oriundos do Japão, Rússia ou China, entre outros, poderão aceder aos respectivos conteúdos. Nada a apontar ao multilinguismo do site, pelo contrário, só acrescenta valor ao mesmo. 
O problema que aqui levantamos é outro, aliás, já abordado no passado. Com efeito, o Município dispõe também de outro site, desta feita especificamente vocacionado para o Turismo e a sua promoção. Falo do Visite Esposende (http://www.visitesposende.com/pt).
Em 2014 demos aqui conta da ausência de versões do site noutras línguas que não o português. Alguns meses mais tarde, o site adquiriu a sua versão em inglês. E quando se esperava pelo próximo alargamento a outras línguas, eis que, volvidos 3 anos, o saldo permanece o mesmo: português e inglês.
Sendo Esposende destino preferencial de forasteiros provenientes de Espanha e França, seria expectável e natural que o Visite Esposende dispusesse também de versões em espanhol e francês. No entanto, não é o que sucede. 
E esta omissão torna-se ainda mais incompreensível quando através do site do Município (que dispõe de versões nas mais variadas línguas) o leitor espanhol ou francês é brindado com ligação para o Visit Esposende, em espanhol e francês, para depois, ao entrar no site, confrontar-se com a ausência do mesmo na sua língua.
Fica, pois, o apelo para que rapidamente possam colmatar estas lacunas no site do Visite Esposende, de modo a que a promoção de Esposende e do turismo no concelho seja mais alargada e eficaz.

sábado, 14 de outubro de 2017

Esposende Rádio, um fantasma.

Ainda hoje me surpreendo quando o rádio pára nos 93.2 MHZ e ouço algo.

De repente é como regressar a 1999, nos tempos em que tínhamos rádio e a rádio era um local de informação, debate e de vivência da sociedade esposendense. 

A frequência que hoje pertence à Esposende Rádio é alimentada por uma máquina que debita uma lista programada de músicas sem que existe uma intervenção humana, resumindo, assemelha-se a um paciente em morte cerebral que apenas sobrevive com a ajuda das máquinas, é como se de um fantasma se tratasse.

Está na altura de alguém perguntar se a medicina actual têm uma resposta para este problema, ou seja, se existe alguém disposto a ter um projecto de longo prazo com pés e cabeça para revitalizar a rádio ou se alguém desliga a respiração artificial e acabamos com isto de uma vez por todas. 


Como se diria na minha terra, nem a rádio morre nem a gente almoça.