sábado, 17 de março de 2018

Spring é Primavera.

 Percebo que cada vez mais a nossa publicidade deva ser orientada para um público internacional, que nos visita porque vai a caminho de Santiago de Compostela ou porque quer vir apreciar o nosso vento mas os anglicismos têm tempo e local próprio.

 Não sou daqueles que busca na Língua Portuguesa um último reduto para exacerbar um nacionalismo/bairrismo bacoco, aos meus olhos, e que a consideram como algo que deve ser cristalizado no tempo e sou daqueles que não perde muito tempo a discutir o Novo Acordo Ortográfico e que nem discorda dele, porque a língua de uma sociedade é algo mutável e dinâmica.
  Para os mais esquecidos, em Portugal já se escreveu PHarmácia, PHosPHoro e estYlo e estas palavras foram revistas em 1ª estância para uma maior simplificação da escrita e não porque estávamos de más relações com Inglaterra.

 Sou daqueles que percebo que devamos utilizar algumas expressões em inglês para facilitar a interlocução com outros povos e com outras realidades e que isso não é um homicídio da autenticidade do desejo.

 Mas, existem alguns pontos em que acho que estes anglicismos devem ser evitados e falo mais concretamente da campanha de publicidade das atividades a decorrer em Esposende cujo título é "Spring".

 Perceberia que este fosse o título da campanha na sua versão inglesa, mas mesmo assim a palavra "Primavera" já foi internacionalizada pelos italianos e traz sempre um capital de cosmopolitismo à coisa, mas não percebo que este seja o título da campanha na sua versão portuguesa é que de repente lembrei-me da campanha "Allgarve" e do sempre inefável Mendes Bota, uma das figuras maiores do PSD Algarve, a defender a sua ideia e isto nunca me dá boas sensações.

 Por isso, deixo aqui o meu repto: em Português para os Portugueses.

 Se queremos internacionalizar ainda mais as nossas campanhas, devemos começar a apresentar as nossas brochuras em Russo, Chinês, Japonês, Sueco, Alemão, Polaco e ai sim, estaremos a criar valor.