sábado, 19 de maio de 2018

E um campeonato concelhio?

Chega ao fim a época das equipas séniores de futebol do concelho.

 Pelo 2º ano consecutivo tivemos a descida de uma equipa do Pró-nacional para a Divisão de Honra e isso deve-nos fazer pensar que direção queremos dar à política desportiva do concelho neste escalão e neste desporto.

 É evidente que só daqui a uns bons anos é que os clubes do concelho que têm equipas séniores estarão em condições para abraçar uma subida ao Campeonato Nacional de Séniores, onde a semiprofissionalização é mandatária e não existem grandes movimentações para que os clubes que outrora já tiveram equipas séniores queiram novamente abraçar um projeto neste setor.

 Relembro que a um dado momento tivemos cerca de 8 equipas séniores do concelho a competir e hoje temos 4 e isso é muito significativo.

 Sejamos sinceros e realistas, as equipas séniores são sempre o maior espelho do estado e da saúde de um clube e esta desertificação de equipas séniores no concelho é um sinal do que já fomos, do que somos e será um sinal do que queremos ser.

 Um clube ter uma equipa sénior funcionar é uma bandeira, um sinal do estado do clube, é um objetivo para os mais novos e um exemplo de sacrifício e superação que se dá às camadas jovens, é um porto de abrigo para os jovens que aos 18 anos já não podem jogar nas camadas jovens e necessitam de uma equipa sénior para continuar a competir. 

 Por isso urge criar as condições  para os clubes terem uma equipa sénior a competir.

 Esse modelo terá de ser o do campeonato concelhio.

 Temos já em andamento um campeonato de veteranos mas será necessário expandir este modelo para o escalão sénior, com as equipas do concelho a jogarem entre si e quem sabe se as equipas que já jogam nas competições distritais possam colocar aqui as suas equipas "B".

 Um campeonato de custos controlados, poucas deslocações, dérbis garantidos, que melhores ingredientes podemos ter para que alguns dos clubes voltem a ponderar ter novamente as equipas séniores?

 Fica a ideia.