sábado, 19 de maio de 2018

Marginal, o "muro de Berlim".

As obras de renovação em algumas das casas na 1ª linha da Marginal de Esposende continuam...

Nada tenho contra os moradores nem contra as pessoas que já lá habitam mas nunca consigo deixar de lamentar a situação que vivemos na nossa marginal, e a sua permanente "murodeberlinização".

Continuamos a ter moradias de habitação privadas a dominar a sua 1ª linha e a tornar impossível ter atividades que vão além da corrida e da caminhada na marginal algo que se assemelha a um desperdício tão grande como o de podermos extrair petróleo no Algarve e estarmos preocupados com os pensionistas franceses que lá compraram casa.

Necessitamos de ter um outro tipo de habitação, de construção, que permita ter comércio e locais de restauração/animação noturna que tirem partido da vista e da localização, algo que é completamente impossível com a estrutura que temos atualmente. Não defendo uma política ao estilo da Póvoa de Varzim, com as suas torres, já que isso seria uma enorme descaracterização da cidade mas algo ao género de Vila do Conde.

 Claro que me vão perguntar se a solução é expropriar e deixar florescer nova construção? Não sei, mas sei que como está não está bem e geração após geração continuamos a desperdiçar um importante ativo deste concelho.