terça-feira, 15 de novembro de 2016

A Queda

A requalificação da marginal de Esposende tornou esta parte da cidade ainda mais apelativa e local privilegiado de locais e forasteiros para caminhadas e corridas sempre que São Pedro brinda o povo com um tempo fantástico, como foi o caso do passado domingo.
Infelizmente, a manhã dominical ficou marcada por um acidente que, de certo modo, já estava anunciado. Uma senhora fazia a sua caminhada, quando uma das travessas do passadiço, junto ao Pé no Rio, partiu, causando-lhe ferimentos numa perna.
Ao longo da marginal, nos passadiços de madeira, são visíveis alguns sinais de desgaste, desde pedaços de madeira partidos ou prestes a cederem. Quem olha para a imagem que ilustra este texto (retirada do Esposende Serviços) constata a fragilidade da resistência do passadiço (pessoalmente, considero que a zona que neste momento inspira maiores cuidados é o passadiço que liga as piscinas à doca de pesca). 
O acidente do passado domingo não deve ficar sem consequências. Para além do levantamento que importa fazer às partes do percurso que estão em risco de partir/ceder, tendo em vista a sua prevenção e resolução, convém, igualmente, avaliar a pertinência de uma intervenção de fundo, substituindo partes ou a totalidade do passadiço por materiais mais resistentes e de qualidade superior. O pior que poderá acontecer, para futuro, é serem feitos remendos e remendinhos ao sabor destes incidentes. O custo agregado final dessas intervenções muitas vezes acaba por equivaler ao valor a que corresponderia uma intervenção de fundo.