terça-feira, 6 de junho de 2017

ESPO25000€NDE


Nota prévia 1: o autor deste post não recebeu qualquer ajuste directo, exercendo o seu direito de opinião da forma mais livre possível.

Nota prévia 2: a foto ilustrativa é retirada do facebook municipal - que em boa verdade é de todos nós - e como tal, e posto que este blog não tem fim lucrativo, ninguém retirará quaisquer benefício económico da coisa pública.

Isto posto:
Está lançado o barulho!
Umas letras ao jeito de outras cidades por esse país e mundo fora, foram em jeitos de surpresa colocadas na "praça das lampreias!

Concorde-se ao discorde-se, há argumentos para tudo.
Pela minha parte (e eis o motivo da nota prévia 1): eu concordo.
É certo que 25.000 euros é muito dinheiro num país onde um trabalhador sua 8 horas por dia durante 11 meses para ganhar 6000,00€... mas também é certo, que por cá não é novidade gastar 20, 30 ou 40 mil euros em concertos que duram, a correr muito bem, duas horitas de Agosto.

Diga-se depois que isto sempre fará correr muitos instagrams e selfies por essa net fora e que isso tem um efeito "viral" em prol da identidade local! (Claro que se o noso mayor escorregasse numa casca de banana e fosse filmado... o vídeo "BP esbardalha-se" teria também um racio de visualizações/partilha fabuloso e era mais barato... mas pronto! Essa não foi a opção tomada).

Fiquemos por isso pelas letras!
Visualmente são grandes! Pois! Para pequenas já temos mensalmente o banner do jornal municipal.
Chocam? É paisagem protegida?
Ora bolas! A barraca dos gelados está lá há muito tempo, tem um impacto visual pouco menor e ninguém se manifestou contra.
Vender castanhas com assador ali no inverno também tem muito pouco de "amigo do ambiente" e também ninguém esperneou.
E em boa verdade: basta de bibelôs na zona central, sob pena de colocarmos tudo nos mesmos 100 metros.

Isto posto: aquele espaço, para além de ter uma vista bonita da foz, tinha também um tremendo ar de gueto. Concentra lixo e areia que por ali esvoaça com a nortada e encosta ao muro do paredão e a utilidade recente não iria muito para além disso. Aliás, basta ver o mau aspecto com que está aquele pavimento para facilmente perceber que estas letras dão um ar de "noiva com vestido novo e sapatos velhos".

Claro que vai perturbar-nos aquelas fotos do pôr do sol, que tiradas da marginal davam ali um ar giro com a foz e o sol a pousar no mar... mas... a bandeira da Olá na barraca também o fazia! E se a minha terra é Esposende... já da Olá... não tenho comissão.

Questão não menos interessante é o facto de "ESPOSENDE" estar colocado em Marinhas... mas nesse aspecto, só por brincadeira e picardia o refiro. O meu bairrismo é efectivamente enquanto esposendense, de um tipo que é de Esposende de Forjães até Apúlia (será que Viana não quer comprar Forjães? É que Forjães está a dar-nos mesmo muita despesa :) ).

Em síntese: repavimentem aquela praça com dignidade (e já agora façam manutenção às tábuas na plataforma a sul do pé no rio, pois ainda este fim de semana tive um azar familiar com uma tábua que partiu) e deixem que o povo tire fotos ao sol e à nortada.

Entre 9 letras por €25.000,00 ou mais uma rodada de outdoors, jornalecos inúteis ou concertos que só cá trazem turista de duas horas... Que se gaste no que fica.
Relembro no entanto um dado: há muita gente neste concelho a passar muito mal para que nos possamos dar a este tipo de luxos. Preferia seguramente que aquelas letras garrafais fossem o reclame luminoso de uma grande empresa que cá se instalasse... mas para esses, diz-se por aí que não há tempo.