terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Pôr-se a jeito

Ao cabo de 3 anos de mandato, apontam-se a Benjamim Pereira a incapacidade de decidir e fazer executar em tempo útil.
Na primeira reunião camarária deste mês, os vereadores foram chamados a deliberar sobre a submissão a consulta pública, pelo período de 30 dias, do projeto de regulamento de concessão de benefícios sociais aos cidadãos voluntários em corpos de bombeiros do município de Esposende. 
A deliberação foi aprovada por unanimidade, tendo o vereador socialista João Nunes aproveitado a votação para declarar a sua satisfação pelo facto de 347 dias após a sua proposta de criação do Cartão Municipal de Bombeiro - feita em Dezembro de 2015 – o Município ter, finalmente, aprovado medida que visa a concessão de apoios aos bombeiros.
O Presidente da Câmara é que não gostou da ousadia de João Nunes em querer arrogar-se como "pai" da medida, e quis também reclamar para si a autoria do benefício: "Recordo que o primeiro compromisso de atribuição de benefícios aos Bombeiros foi por mim apresentado publicamente em março de 2014, no jantar de comemoração do aniversário dos Bombeiros Voluntários de Esposende."
Ou seja, João Nunes, chamando para si os louros da criação de medida de apoio aos bombeiros, não deixa de criticar o facto de esta ter demorado quase 1 ano a ser concretizada. Benjamim Pereira, em resposta, diz que a iniciativa é que partiu do seu lado, não se dando conta porém que, sendo assim, a medida foi concretizada não passados 347 dias, como referiu João Nunes, mas, antes, passados...989 dias!
Pela própria boca morreu, assim, uma boa oportunidade para Benjamim Pereira desfazer a ideia de que é um Presidente que não executa, em tempo útil, os compromissos que faz...