segunda-feira, 13 de junho de 2016

"Aqui há Fantasmas"

O título, não me ocorrendo melhor, apesar de se tratar de uma fabulosa obra de teatro, bem que podia aplicar-se à actualidade política local no seu mais recente número de circo.

Fui na passada quinta feita surpreendido pela notícia de que um grupo de autarcas e ex-autarcas se reuniria para um jantar tendo em vista uma clarificação de posições quanto ao futuro político do concelho (que era afinal sinónimo de "o futuro político de Benjamim Pereira").

Adiantava a notícia do "esposende24.net" já alguns nomes de candidatáveis da blogosfera.

Ora, não podia deixar passar o feito em vão, permitindo-me aqui ao devaneio sobre o assunto.

Em primeiro de tudo a paternidade da nota à imprensa:
- Aurélio Neiva terá sido o subscritor da dita. Nada de estranho quanto a isso. É o Presidente da maior Junta de Freguesia do concelho. Não fosse o facto de não se conhecer a tal pessoa grande fervor político para estas coisas. Aurélio Neiva é efectivamente autarca, mas nunca misturou o registo de autarca com o de "político" (na leitura "cacique" da coisa). O que levanta a dúvida se terá partido mesmo dele a iniciativa ou se alguém terá criado a "vaga de fundo" para levar Aurélio Neiva a assumir a paternidade da outra vaga de fundo.

Passando isto, adiante.
- sendo os autarcas e ex-autarcas os primeiros a assumir a "vaga de fundo" à recandidatura de Benjamim Pereira... onde entra o PSD Esposende? É certo e sabido que o fervor de outros tempos esfumou-se em jogos de "dividir para reinar" do passado e em guerras de "o meu plilau é maior que o teu"... mas daí a serem os autarcas a assumir a vaga... vai um caminho feito bastante ao contrário.

- claro que, depois de nas últimas autárquicas Benjamim Pereira ter presenteado a sua terra natal com a presença de Areia de Carvalho num comício... sabendo do historial do convidado no concelho... talvez Benjamim Pereira se sinta já tentado a ser "supra-partidário", homem de consensos com casa alheia, e capaz mesmo de renunciar à "partidarite" para assegurar a reeleição. (Talvez não tenha sido à toa ou em vão que o PSD perdeu a Junta de Forjães, mas sobre isso talvez opine numa outra altura, podendo no entanto adiantar "se era para queimar alguém o José Silva era o último que mereceria tal sacanice"!)

- Benjamim Pereira, ao que se soube, terá respondido ao chamamento dos autarcas com a dúvida (é "chique" manter a mesma)! 

- Claro que não se equaciona que o PSD Esposende não apoie a recandidatura, tanto mais que já desde o último mandato que João Cepa era um militante inactivo ou suspenso, (pese embora nem aí o Partido tivesse tomado posição);

- o que se equaciona é porquê? Porquê um sinal de fraqueza tão grande de um partido que governa "só" com maioria absoluta?

- Porque se marcam jantares para clarificar posições quando o candidato é único? 

- Haverá quem entenda que forçar compromissos resulta?

- Os autarcas em causa assumem porventura que todas as suas estruturas locais subscrevem as suas posições?

- Ou será que amanhã correm o risco de, a troco da fotografia na vaga de fundo a Benjamim Pereira, necessitarem eles de bóias de salvação para manterem as suas equipas unidas?

São muitas questões que se colocam perante tão forte sinal de fraqueza! Nada que nos fosse alheio é certo, depois de confrontados com a fixação do Sr. Presidente com a blogosfera e com o que dizem de si.

A verdade é que este jantarito podia resumir-se nas palavras de Camões: 

"O fraco rei faz fraca a forte gente."

E no meio disto tudo, Benjamim Pereira, tremendo às linhas da blogosfera, arranjando agenda para ouvir autarcas e bloggers e não para receber munícipes... esquece algo tão elementar como o facto de que, atendendo às circunstâncias, bastava-lhe estar quietinho, fazer umas coisinhas e contar com o eleitorado "da setinha" para ter a reeleição garantida.

Porque o eleitorado firme "da setinha", vota em quem levar a setinha no boletim, é fiel, não lê bloggs nem facebooks, passa ao lado das novelas e dos inquéritos, e dá para ganhar eleições.

Não percebendo isto o líder local fica nervoso e preocupa todos os que o rodeiam, levando assim o PSD Esposende ao mais claro sinal de insegurança de que eu me lembre, quando, note-se: há "0" (zero) candidatos assumidos... e alguns dos candidatáveis creio que o serão apenas pelo gozo de saberem que estão a tirar o sono a alguém.

Claro que tudo isto tem um razão de ser: Benjamim Pereira "herdou" uma junta e "herdou" uma Câmara sem que até então tivesse que lidar "com as pulgas". 
No dia em que foi confrontado com as pequenas mordidelas inerentes ao lugar demonstrou incapacidade para lidar com a divergência e ficou com isso tentado a buscar o estado de graça com todos. A somar, ou deve andar sozinho ou tremendamente mal acompanhado, pois será impossível que alguém minimamente bem acompanhado tomasse tantas atitudes de insegurança.

Se o tempo fará com que agrade a todos? 
Tenho sérias dúvidas.

Por fim, lamentável que a vaga de fundo não tenha uma palavra para a equipa da vereação. Facto que só por si será bastante para reforçar as leituras que fazem os que o vêem como um líder sozinho, que abandonou a própria equipa em prol do seu ego. 

Tiradas como "fiz mais depressa", "fiz algo que ninguém fez" e "fiz mais"deixarão sempre a questão de "onde estava o dream team" no mandato anterior? Ou será que agora andam debaixo de chicote?

E pronto, por agora fico-me por aqui.

E se calhar termino com um:
"Bem-Haja ao autarca pelas obras feitas pois a terra também se desenvolve com elas, mesmo que a gente possa discordar aqui ou ali ou aqui e ali." - (Só para prevenir! Não vá ver-me novamente confrontado com os meus escritos!)