sábado, 4 de fevereiro de 2017

O Sal de Esposende.

Qualquer esposendense minimamente informado sabe que o concelho de Esposende nasceu da extração do sal, mas também sabe que raramente esse imaginário é explorado no concelho.

Era interessante retomar essa herança que esteve connosco até cerca de 1400 e que levou o nome de Esposende aos mais diversos portos da Europa, da Rússia à Grécia, e nos tornou um pilar essencial no jogo de poder entre dioceses (e distritos administrativos) enquanto existiram salinas no nosso concelho. 

Uma feira, um colóquio de conferências, atividades nos locais das antigas salinas era algo que nos poderia aproximar  desta herança e ter um evento claramente diferente no panorama nacional.

Sei bem que seria mais contemporâneo falar da clarinha ou do sargaço e que para estas duas temáticas haveria maior disponibilidade de meios e do interesse das entidades privadas mas o sal é algo mais transversal a todas as freguesias englobando não só as freguesias costeiras como as freguesias para lá dos montes.  

Se aproveitamos o Castro de São Lourenço para a Galaicofolia porque não aproveitar o sal para um novo evento?

Fica a dica.