quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Verde, precisa-se

A propósito do lançamento da primeira pedra das obras de remodelação do adro da capela da Senhora da Saúde, lê-se, na nota informativa, que «o adro da Senhora da Saúde é o maior espaço verde da cidade de Esposende.»
A alusão deve fazer corar de vergonha os esposendenses. Ao pé de espaços verdes de outros municípios, o adro da Senhora da Saúde é um quintal.
A cidade de Esposende apresenta reduzida dimensão geográfica. E, infelizmente, todos os espaços disponíveis são aproveitados para outros fins que não a vertente ambiental. Ainda estará presente na memória de muitos a conversão do largo dos bombeiros em parque de estacionamento. 
A falta de espaços verdes é uma lacuna constantemente apontada à cidade, por locais e forasteiros. Nem o tão ambicionado Parque da Cidade conseguiu, à data, ganhar forma, apesar de anunciado por diversas vezes. E, enquanto a obra de regime não tem início, permanece o absoluto vazio de ideias (ou de vontade política) para dotar a cidade de espaços verdes. 
A título de sugestão, poderia ser equacionada a reconversão do espaço entre o Tribunal e o Posto de Turismo num espaço verde, o qual, com interessante dimensão, acrescentaria valor à cidade. E outras alternativas poderão ser apontadas. Havendo vontade, muito mais poderá ser feito pelo ambiente na cidade e o mote «Esposende, um privilégio da natureza» ganhar, consequentemente, ainda mais sentido.