segunda-feira, 1 de maio de 2017

O PS a passear

Chegamos a 1 de Maio e estamos a 5 meses das autárquicas e o PS continua sem candidato.

Nada tenho contra Laurentino Regado mas a situação atual é motivo para profunda reflexão na concelhia e em situações normais representará o golpe final na sua liderança do PS-Esposende.

O PSD apresentou o seu candidato em Janeiro, tal como João Cepa, e o CDS endereçou o seu apoio em Março, e o PS continua à espera de algo e penso que na atual conjuntura quando alguém quer ser considerado um candidato credível não pode esperar pelos últimos 4 meses para se apresentar à população e expor as suas ideias.

A esta altura já deveria haver uma cara, um programa, um logótipo e um caminho.

A não ser que o PS-Esposende tenha na manga um grande trunfo e um nome muito forte, esta espera e demora na entrada do combate será fatal para um bom desempenho e esse nervosismo explica o facto de já terem existido algumas deserções dos membros da sua lista e derivações no PS já começaram culminando na vontade de uma fação do PS em apoiar Cepa na sua candidatura.

Sendo claro, se tal apoio tivesse sido efetivado pediria o desaparecimento do PS-Esposende, porque este seria o mais claro sinal que estávamos perante um "zombie político".

Laurentino Regado deve-se preocupar com esta questão e sendo ele um assessor de um ministro da República com certeza não será difícil movimentar a máquina socialista para que as coisas aconteçam.

Relembro a Laurentino, caso ele leia isto, que o PSD-Esposende é uma irrelevância política a nível nacional e até regional desde os tempos de Alberto Figueiredo e que este concelho está à distância de uma estratégia sólida e responsável, ou por outras palavras, profissional.